fbpx

O transplante de córnea é o procedimento que substitui o tecido que está doente ou danificado por uma córnea saudável, originária de um doador. É uma cirurgia que pode ser realizada para atender dois objetivos: melhorar a visão ou corrigir perfurações oculares.

É o transplante mais realizado no mundo e o que apresenta o maior índice de sucesso. No Brasil, realizaram-se 14.809  transplantes de córnea em 2018. Entre janeiro e março de 2019, foram registrados 3.400 procedimentos dessa natureza no país, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO).

A cirurgia pode trazer grandes benefícios, resgatando a visão nítida e melhorando a qualidade de vida para os pacientes. Se você tem dificuldades para enxergar e quer saber se o transplante de córneas é adequado para o seu caso, leia esse post e agende uma consulta com um médico especialista. A seguir, vamos esclarecer os principais pontos sobre o procedimento.

 

O que é a córnea e qual a sua função

A córnea é o tecido transparente que recobre o globo ocular em sua parte anterior. Juntamente com a esclera (conhecida como a parte branca do olho), forma a parte fibrosa que protege nossos olhos.

Ela é lisa e transparente, e pode ser comparada ao vidro que fica sobre os relógios de pulso. Se estiver riscada, danificada ou com alterações em seu formato, dificulta a passagem da luz e prejudica a visão.

Algumas doenças ou acidentes podem prejudicar essa transparência ou danificar essa superfície lisa, tais como infecções, traumas perfurantes ou alterações genéticas.

 

Em que situações fazer o transplante de córnea

O transplante de córnea é indicado quando as outras alternativas de melhoria da visão não resolvem – tais como o laser ou o uso de lentes de contato. Entre as causas para a realização do transplante, podemos citar:

  • Ceratocone: é uma doença que modifica a curvatura da córnea, o que pode causar distorção na visão. É uma das principais causas do transplante de córneas, mas o procedimento é indicado apenas para os casos mais graves, em que as outras alternativas de tratamento não tiverem apresentado resultado.
  • Degeneração marginal pelúcida: é uma doença semelhante ao ceratocone, pois também altera a curvatura da córnea.
  • Ceratopatia bolhosa: também é causa frequente de transplantes de córneas. Caracteriza-se por um inchaço na córnea que acompanha bolhas epiteliais ou subepiteliais devido à perda de células ou outras alterações.
  • Distrofias corneanas: são alterações bilaterais e progressivas, que costumam tornar a vista opaca. A mais comum é a distrofia de Fuchs.
  • Leucomas: é a opacidade da córnea que tem origem em causas diversas, como traumas, queimaduras químicas, infecções por herpes e distrofias corneanas, entre outras.
  • Ceratoglobo: é uma condição rara que causa o afinamento da córnea.
  • Lesões ou perfurações oculares: causada por algum acidente, por exemplo.
  • Infecções corneanas graves: como úlceras e ceratites.

 

Como funciona a cirurgia de transplante de córnea

Em primeiro lugar, é importante afirmar que a cirurgia de transplante de córnea é realizada por médicos especialistas e equipes que estejam cadastrados no Sistema Nacional de Transplantes (SNT). Os centros cirúrgicos de clínicas e hospitais, sejam públicos ou privados, também devem ser credenciados pelo SNT. Isso assegura a qualidade dos procedimentos e o respeito à ordem na fila de pacientes que precisam do transplante.

O procedimento é relativamente simples. É feito com anestesia geral ou local. Tem aproximadamente uma hora de duração e não exige internação.

O transplante de córnea é realizado da seguinte forma: por meio de um microscópio cirúrgico, com uma lâmina do tipo circular, é feita uma incisão para remover a parte central da córnea que está danificada. Depois, é inserida a córnea saudável, previamente preparada e adaptada ao paciente, de modo a encaixar perfeitamente no espaço ocular.

Tipos de transplante de córnea

Existem pelo menos 3 tipos diferentes de transplante de córnea que podem ser feitos conforme a área afetada do tecido. Nos últimos 15 anos, houve um avanço considerável nas técnicas disponíveis, o que permitiu um grande aperfeiçoamento, com melhores resultados pós-operatórios.

Atualmente, é possível substituir apenas a parte doente da córnea, e não ela inteira, como era mais comum. Conheça os tipos de transplante de córnea:

  • Ceratoplastia penetrante

É chamado de transplante clássico, pois foi o mais realizado em toda a história do transplante de córnea do mundo. Nesse procedimento convencional, é feita a troca de toda a espessura da córnea. São necessários vários pontos (sutura) e a visão leva entre dois a três anos para se estabilizar.

  • Transplante lamelar anterior

É usada essa técnica quando a doença atinge a parte da frente da córnea. Retira-se 95% da espessura e, nesse caso, preserva-se a camada fina de trás, o que diminui as chances de rejeição por ser a camada que mais estimula o sistema de defesa. 

  • Ceratoplastia endotelial

Esse método é feito na parte de trás da córnea, responsável por deixar a córnea fina e transparente. A vantagem dessa técnica é que não tem a necessidade de trocar toda a córnea. O globo praticamente se mantém o mesmo, a recuperação é muito mais rápida e não precisa de pontos, reduzindo as chances de rejeição.

 

Recuperação

O pós-operatório exige alguns cuidados do paciente. A sensação de dor pode levar alguns dias, varia de pessoa para pessoa e é aliviada com o uso de analgésicos comuns.

A pessoa transplantada deve ficar em repouso relativo, evitar inclinar a cabeça para baixo, fazer uso da medicação prescrita pelo cirurgião e realizar a higienização do curativo conforme as orientações recebidas.

Importante lembrar que é preciso evitar coçar e esfregar os olhos. É provável que seja indicado o uso de colírios com corticóide e antibióticos, para evitar rejeição e infecções.

A visão volta aos poucos, flutua e pode demorar meses até estabilizar e saber o grau dos óculos que pode precisar. As atividades cotidianas podem ser mantidas, como tomar banho, caminhar, ler e assistir a televisão. As atividades físicas mais intensas devem esperar um pouco mais, mas podem ser retomadas em algumas semanas, de acordo com a orientação do médico. 

 

Conclusão

O transplante de córnea é um procedimento bastante popular no mundo todo e suas técnicas avançaram consideravelmente nos últimos anos. É um procedimento usado para melhorar a visão ou tratar doenças, lesões e traumas.

Para saber se a cirurgia é ideal para o seu caso, agende uma consulta com um oftalmologista especializado. Saiba mais detalhes sobre o procedimento no nosso site e acompanhe tudo sobre oftalmologia para manter a sua saúde ocular em dia. Deixe seu comentário e, se quiser, dê sua sugestão de tema para um próximo post. Até lá!

Write a comment:

*

Your email address will not be published.